sábado, julho 22, 2017

Café e comidinhas rápidas / Europa 2017


Taormina - Itália

Paler - Itália

Siracusa - Itália

                                                                   Catânia - Itália


Bercelona - Espanha

Carcassone - França

Sevilha - Espanha



                                                          Córdoba - Espanha



                                                         Bergen - Noruega


                                                           Albi - França



                                                       Granada - Espanha


quarta-feira, julho 19, 2017

Noto, Joia do Barroco Siciliano

Barroco em varandas de palácios

Localizado na Província de Siracusa, com 25 mil habitantes, Patrimônio da Humanidade na lista da UNESCO desde 1996, Noto é visita imperdível para quem vai à Sicilia, não só pela exuberância do Barroco , como também pela unidade de estilo.


Catedral de Noto

Em 1693, um catastrófico terremoto destruiu quase por completo a Noto Antica . Os moradores sobreviventes decidiram, então,  abandoná-la. Substituíram-na por outra cidade,  que ficou localizada à esquerda do rio Asinares. A planta urbana da Nova Noto foi elaborada por um grupo de arquitetos locais , coordenados por Juan Bautista Landolina. Tal planejamento deu a ela uma unidade de estilo.


Porta Real - entrada da cidade

Para as construções de Noto, foi utilizada tufa branca da localidade - uma pedra calcárea porosa - que adquire , em contato com o sol, uma  tonalidade castanha, meio dourada.  Daí por que Noto também é conhecida como Cidade Dourada. Realmente, obras barrocas douradas constituem uma beleza rara, que me  encantou ver!


Destaque para a cor dourada

Noto tem um traçado muito interessante. A partir da Porta Real, a Avenida Vittorio Emanuele, a artéria principal, com seus 800 metros de comprimento, atravessa , como um eixo, toda a parte monumental, tendo,ao longo dela três praças, que dividem as três partes básicas da cidade.


Prédios religiosos com o mesmo dourado

Parece mesmo que a cidade foi desenhada a partir do poder exercido por grupos sociais. Na primeira parte, estão igrejas, conventos e monastérios, ou seja, está o poder religioso; na segunda parte, estão os nobres, com seus estupendos palácios; na terceira e última parte, separados por uma praça, estão os quarteirões populares - ali vivia o povo. 


Palazzo Viladorata, totalmente barroco

Há que se ter tempo para ver  a representação do poderio da igreja e da nobreza a distribuir-se pela cidade. Ver o Palazzo Trigona ( 1781), localizado na Via Cavour, atrás da Catedral; o Palazzo Viladorata (1730 ), que se destaca pelas muitas figuras esculpidas na sua fachada. Em frente à Catedral, está a Prefeitura atual, em prédio construído em 1740.


Palácio Municipal

O poderio da igreja pode ser facilmente identificado em muitos grandiosos edifícios, como o Seminário San Salvatore, o Mosteiro de Montevergine, o Convento do Santíssimo Salvador e as igrejas de San Domenico, Santa Chiara e San Francisco - todos com fachadas imponentes e cuidadosamente trabalhadas.


Parte religiosa da Cidade

A Catedral, construída na década de 1770, está sobre o alto de uma escadaria de três rampas e domina a Praça da Municipalidade, onde está o harmonioso Palazzo Ducezio, sede atual da Prefeitura. O interior da Catedral é formado por três naves e muitas capelas laterais. Exibe preciosos altares de mármore. Grandiosa e bonita igreja.


Ruas estreitas e prédios dourados.

Em meio à exuberância e quase homogeneidade do Barroco, em meio a tanta pompa grandiosidade, tivemos um tempinho disponível para visitar uma Galeria de Arte, em que estava a Exposição Sogno e Colore - Marc Chagall e Ottavio Missoni. Na entrada, um texto de Chagall onde se lia: " Nelle nostre vita c`è un solo colore che dona senso a alla vita stessa. Il colore dell`amore."  


Cerâmica exposta na Galeria de Arte

"Viajar! Perder países! 
Ser outro constantemente, 
Por a alma não ter raízes 
De viver de ver somente! 

Não pertencer nem a mim! 
Ir em frente, ir a seguir 
A ausência de ter um fim, 
E a ânsia de o conseguir! 

Viajar assim é viagem. 
Mas faço-o sem ter de meu 
Mais que o sonho da passagem. 
O resto é só terra e céu."

Fernando Pessoa

Bella Noto! Ciao! Ciao!


segunda-feira, julho 17, 2017

Catânia, onde Bellini nasceu.

Monumento a Vincenzo Bellini

Ao reorganizar uma parte da minha bagagem, que costumo deixar em Madrid, e refazer a mochila, que costumo levar nas viagens-dentro-da-viagem, encontrei as anotações que fiz quando estive 16 dias na Sicília, ainda no mês de maio. Revisei e constatei que metade das cidades visitadas nessa encantadora ilha italiana não haviam tido seus relatos postados no Correndomundo. Corrijo essa lacuna agora, escrevendo sobre Catânia, Noto, Siracusa, Piazza Amerina e Palermo.


Elefante - Símbolo de Catânia

Ao iniciar contando sobre Catânia, relembro Fernando Pessoa:
"Vou devagar porque o que é sorte, 
E o que é morte,
Não as busco, não as evito,
Vêm-me buscar."


Centro Histórico de Catânia

Há mais de dez anos, eu havia me hospedado em Catânia, num hotel confortável e bem localizado. Esqueci, porém, o nome dele. Ao fazer as reserva para esta viagem, busquei hospedagem , como sempre faço, no www.booking.com. Encontrei lugar num B&B muito bem recomendado e que se revelou excelente. Refiro-me ao  Piccola Perla, localizado no segundo andar de um antigo e bem cuidado palácio. Com três apartamentos amplos, excelente e personalizado café da manhã  e uma cozinha equipada à disposição dos hóspedes,  Piccola Perla tem atendimento integral das proprietárias, Anna e Fiorella, duas pessoas competentes, gentis e bem informadas. Tante Grazie!



Muito verde em Catânia

Catânia nasce como colônia grega em 729 a.C. Ao longo de sua história, foi dominada por siracusos, romanos, bizantinos, árabes e normandos. Está localizada a 28 km da cratera principal do Etna, vulcão que marcou a vida e os costumes do local e tornou muito fértil a terra que o circunda. Catânia viveu um período muito difícil entre 1669 e 1693, quando foi atingida primeiro por uma erupção e depois devastada por um terremoto. No século seguinte, foi reconstruída  e hoje é uma bonita cidade com população ao redor de 330 mil habitantes.


Universidade de Catânia


Embora a  Praça  da Catedral - Piazza del Duomo - seja um dos lugares mais visitados pelos turistas, o lugar que se tornou meu preferido, foi o grande e movimentado Mercado da Cidade, que funciona todos os dias, onde se encontram, por exemplo,  roupas, panelas, objetos de decoração, antiguidades, frutas, carnes, peixes, verduras e pães....e queijos variados e deliciosos. Encontram-se, ainda, figuras folclóricas, pessoas que gostam de conversar enquanto vendem. Realmente, gente tagarela e alegre.


Delícias do Mercado da Cidade

A Gastronomia é ponto forte de Catânia . Conheço bem a Itália e não experimentei em outra cidade do país uma Pasta alla Norma tão deliciosa como a que me deliciei em dois restaurantes cataneses. Alla Norma é simples - precisa-se de massa ( maccheroni o spaghetti ), berinjela ( beringela), tomate e manjericão. A receita foi criada em Catânia, em homenagem a ópera Norma de Vincenzo Bellini. A cozinha tradicional siciliana prima pelo trivial com bela apresentação. Carne de cavalo é uma especialidade típica - totalmente dispensada por mim. 


Catedral de Catânia ( Il Duomo)

Em se tratando de arte, Catânia, que é a segunda maior cidade da Ilha , oferece-nos, ainda uma belíssima visão  do barroco siciliano. Há muito o que ver nessa perspectiva, como, por exemplo, a Catedral de Santa Ágata e imponentes palácios. A opulência do barroco também está na Via  Crociferi, onde, em menos de 200 metros, podem ser visitadas três magníficas igrejas do século XVIII - San Francesco Borgia, San Benedetto e San Giuliano - todas elas com interiores belíssimos.


Orla  -  Lungomare 

                                                                  Orla  -  Lungomare 

Um belo passeio pode ser feito pela orla de Catânia, onde podem ser  vistas , além da beleza do azul do mar Jônico e das minúsculas praias ocupadas por adultos e crianças, muitas plantas, especialmente cactos, com flores amarelas e vermelhas. Uma lindeza! Isolda e eu fizemos este passeio, percorrendo-o por 12 km. 


Ruazinha de Catânia

Parece-me ser uma boa estratégia dividir o tempo de permanência na Sicilia em dois momentos e em dois lugares: Palermo e Sicilia. Isso facilita muito a locomoção para outras cidades. Taormina,por exemplo, está a 50 km de Catânia; já Cefalù  está a 70 km de Palermo. Entre Palermo e Catânia, estão 208 km. As duas cidades têm excelentes redes de transporte, permitindo confortáveis bate-e-volta. 


Arte em espaços públicos

" O meu olhar azul como o céu
É calmo como a água ao sol.
É assim, azul e calmo,
Porque não interroga nem se espanta...

Se eu interrogasse e me espantasse
Não nasciam flores novas nos prados
Nem mudaria qualquer coisa no sol de modo a ele ficar mais belo..."

Fernando Pessoa

                                                                           Catânia


sábado, julho 15, 2017

Bergen: com razão, um Patrimônio...

Detalhe do panorama de Bergen visto do Monte Floyen

Quando se vem à Europa, não ir à Noruega, não ver, no mínimo,  Oslo e Bergen,  é realmente um desperdício, ainda que só de encantamento. Já escrevi sobre Oslo, a capital e maior cidade do País: escrevo agora sobre Bergen, a segunda cidade maior, com uma população ao redor de 270 mil habitantes.


Idem

Situada na Costa Oeste da Noruega ,  a cidade de Bergen  é  outro ponto de partida para visitar os fiordes. A água  em abudância confere a ela um encanto admirável.  Plantada, assim, num cenário de rara beleza, ela também está  cercada - parecendo abrigada ou protegida - por sete montanhas, sendo Ulriken a mais alta, com 643 metros de altura.


Idem

Essa localização privilegiada  pode ser comprovado, mais nitidamente, numa viagem no Floibanen, o bondinho que transporta os passageiros a uma altura de 320 metros e que oferece uma vista panorâmica de toda a cidade - das margens recortadas, das pontes e das casinhas tradicionais - dos arredores e do mar com suas múltiplas embarcações. 


Tradicionais casas de madeira no Centro histórico

Conta-se que essa cidade foi fundada em 1070, por Olav Kyrre, mas contam também que ela já existia em tempos mais antigos. Foi a capital da Noruega até 1299, quando Oslo assumiu essa condição. Pela localização estratégica de seu porto, Bergen, entre 1350-1750, fez parte da Liga Hanseática - grupo de comércio e poder, que dominou o norte da Europa durante a Idade Média.
 Bryggen, antigo bairro da Liga Hanseática e do Porto de Bergen

Em 1979, passou a fazer parte da lista da UNESCO como Patrimônio Histórico da Humanidade, especialmente por Bryggen,  sua parte antiga , com belíssimos, coloridos e bem conservados edifícios históricos, com casinhas do tempo da Liga Hanseática. Passear pelas imediações do porto e  explorar Bryggen já justifica a viagem. A cidade, no entanto,  tem muito mais a oferecer....



                    
                                                                   Mercado do Peixe

Outro lugar bem interessante de visitar, depois escolher um prato, acomodar-se numa mesa e deliciar-se com frutos do mar, é o Mercado do Peixe, localizado em frente ao porto e muito  perto das casinhas do Bryggen. Foi realmente aí que experimentei os melhores  pratos de camarão, ostras e peixes diversos. Deliciosos!


Pratos à escolha no Mercado do Peixe

O referido Mercado está sempre com produtos fresquinhos e muitos pratos-sugestões já expostos. A atração mais famosa, entretanto, são os viveiros, onde os clientes escolhem os frutos do mar que desejam comer e que logo são preparados e servidos - novinhs, novinhos!


Fontes e jardins ornamentam os espaços públicos

A cidade pode - e deve - ser percorrida a pé, atentamente, olhando para os lados, a fim de não perder nada das belezas que ela oferece a moradores e visitantes. Praças, parques, fontes e jardins estão muito presentes, além, é claro, das esculturas e da arquitetura encantadora. Há excelentes Museus, como o Museu da Cidade de Bergen e o Museu de Arte. 


Muitas e diversas esculturas no espaço urbano de Bergen

Bergen é uma cidade muito popular na Europa e bastante elegida por turistas do mundo inteiro, sendo frequentemente visitada por navios de cruzeiro. É, ainda,  um centro de cultura, comércio e estudos universitários. 


Idem

A Universidade de Bergen, que foi fundada em 1946, acolhe hoje cerca de 20 mil estudantes ( 1500 estrangeiros) em cursos de graduação e em cursos de pós-graduação - estes últimos ministrados em inglês. Mantém convênios com importantes centro mundiais de pesquisa.


Bryggen

Quando eu estava em Bergen, pude , mais uma vez, encantar-me com o anoitecer tardio. Não era o famoso sol da meia noite...mas anoitecia bastante tarde. A foto seguinte , eu a fiz às 23h34 min e , no entanto, parecia-me um final de dia simplesmente.


A partir da janela do Hotel....

Já estou de volta a Madrid - gostando muito de ter feito  a viagem Noruega 2017 . Ainda não escrevi sobre o cruzeiro pelos fiordes. Pretendo fazê-lo mais tarde. Alimento o sonho de retornar ao território norueguês e permanecer algumas semanas. Vi Myrdal - cidade localizada entre Bergen e  Oslo, a 867 metros acima do nível do mar - apenas de passagem. Gostaria de ver Flam, Voss, Notodden e Stavanger; Gostaria de ver muitos outros fiordes. 


Escultura em Oslo

Um agradecimento especial à minha família - restrita e ampliada - que me acompanha em longas viagens, transmitindo-me  notícias e ânimo para continuar e estar tranquila. Agradeço à minha amiga Isolda Branco, pessoa alegre, inteligente e sensível, que foi minha parceira neste recorrido. Agradeço aos seguidores do correndomundo pelo estímulo de sempre. Que a vida lhes reserve muitas surpresas agradáveis. Flores e Fernando Pessoa para todos.


     

" Uns com os olhos postos no passado,
Veem o que não veem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, veem
O que não pode ver-se.

Por que tão longe ir pôr o que está perto - 
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este é o momento, isto
É quem somos, e é tudo...."

Fernando Pessoa



terça-feira, julho 11, 2017

Oslo: o que ver e o que fazer

Detalhes da Fortaleza e Castelo vistos de um barco no Fiordes

Noruega é o país setentrional com maior densidade populacional do mundo. Cerca de 5 milhões de pessoas habitam este lugar que tem 323.802 Km2. Oslo, capital norueguesa, abriga cerca de 600 mil habitantes. É o centro cultural, científico, econômico e governamental país.


Escultura na rua principal de Oslo

É a mais antiga das capitais da Escandinávia. Teve seu início em 1048, a partir de um local de comércio, originado de um mercado muito antigo. Hoje é centro de indústrias marítimas  - e uma das cidades mais caras do mundo. A Noruega, como um todo, lidera a lista dos países com maior Índice de Desenvolvimento Humano ( IDH). 


City Hall, fotografado a partir do fiorde

Oslo é o ponto de partida para explorar a Noruega. Se você chegar de trem, na Estação Central inicia-se a rua principal da cidade: a bonita e movimentada Karl Johans Gate, que termina no Slottsparken, outro dos bonitos parques verdes da capital.


Trecho da Karl Johans Gate

Quando se pensa em Noruega, logo se pensa nos Fiordes, a começar pelo fiorde de Oslo. É realmente um belo passeio, mas a cidade tem muito a oferecer além dos passeios de barco. Grandes atrações podem ser visitadas caminhando,  seguindo  Karl Johans Gate, a começar pelo Parlamento e pelo edifício do City Hall.

Muitas e belas esculturas nas proximidades do City Hall


O Parlamento Norueguês - Stortinget -  é um imponente edifício de tijolos amarelos, construído em 1866, que, aos sábados, oferece visitas guiadas gratuitas. Encantou-me uma área ajardinada, que está na frente do Parlamento e que é muito usada pela população local para banhos de sol - aproveitando o verão, ainda que a temperatura estive menos de 20 graus ao meio dia.


Parlamento (Atortinget )


Perto do City Hall e da saída dos barcos para passeios pelo fiorde, está um prédio público, da Prefeitura, cujo suntuoso salão interno é bem conhecido, pelo fato de que nele,  todo o dia 10 de dezembro, é entregue o Nobel da Paz. Sorte minha que pude ver, nesse prédio, a exposição Genesis, com fotos do brasileiro, mundialmente conhecido,  Sebastião Salgado.



Sebastião Salgado

Depois de visitar a Exposição de Sebastião Salgado, fiz o inesquecível  primeiro passeio pelo Fiorde de Oslo. É um passeio que deslumbra, emociona, encanta pela beleza das águas, pelas casinhas coloridas nas margens e nas montanhas, pelos barquinhos que parecem de papel em múltiplas cores. Há explicações em norueguês e inglês durante todo o trajeto. Do barco, podem ser vistos e identificados prédios importantes da cidade.


Integração: águas e montanhas

Um dos prédios que se vê é o Ópera de Noruega, moderno e arrojado, todo em mármore e vidro, planejado e feito para mostrar seu reflexo na água, tanto de dia quanto de noite. A Prefeitura de Oslo - City Hall - tem um salão fantasticamente decorado, com pinturas que valorizam a História e a Cultura local.


Imagens do passeio de barco

Construído ao redor de 1300, o Forte e Castelo de Akershus pode ser visto durante o passeio de barco, e essa visão pode ser um estímulo para visitá-lo, detalhadamente, durante o dia ou a noite. É um complexo grandioso e requer tempo e disposição para traçá-lo. Eu desisti! Contaram-me que a capela, a sala de banquetes e as passagens subterrâneas são as grandes atrações do local.


Detalhe da Catedral

Seguindo a Karl Johans Gate e suas imediações,  pode-se otimizar o tempo vendo a Catedral, o Teatro Nacional, a Universidade e o Palácio Real. A Catedral, igreja luterana do século XVII, com as reformas que sofreu, ostenta variações entre o estilo gótico e o barroco. São famosas suas pinturas no teto e suas tapeçarias. É uma construção de beleza extraordinária.



Arte na Rua : presença constante

Forte a presença da arte em Oslo, com destaque para o norueguês  Edvard Munch, um dos precursores do Expressionismo. Entre seus quadros mais famosos  está O Grito, q foi roubado em 2004 e encontrado dois anos depois. De O Grito, Munch pintou quatro versões - uma delas foi leiloada em 2012, por 230 milhões de reais. O Museu Munch exibe 20 mil peças desse pintor. Para 2018, está previsto o lançamento de outro Museu do mesmo pintor.


Parque Vigeland

Há muito mais o que ver e há muitos outros passeios a fazer, incluindo Museus, Galerias e Teatros. Sobre o passeio que se tornou meu preferido, o fantástico Parque Vigeland, já publiquei aqui no correndomundo: http://correndomundo.blogspot.com.es/2017/07/parque-vigeland-em-oslo-imperdivel.html



Passeio pelo Fiorde : fundo City Hall

Voltarei a escrever sobre Oslo. Há muito o que contar. Fui depois para Bergen, onde o sol já era quase o da meia noite. E sem querer trollar ninguém, encerro com uma das muitas fotos de Trolls que fiz, já que essas figuras, originárias da mitologia escandinava, estão por toda parte na Noruega.


Troll